Heroes of Olympus RPG

[BMO] - Khaen Herseker

Ir em baixo

[BMO] - Khaen Herseker publicado em em Seg Nov 24, 2014 3:30 pm

- Seja bem vindo(a). Aqui é o espaço onde irão ficar minhas BMO's -
Khaen Herseker Filhos de Hipnos
Khaen Herseker
Mensagens : 31

Data de inscrição : 17/10/2014

Idade : 23

Localização : Chalé #15


Ficha do Semideus
Vida Vida:
[BMO] - Khaen Herseker Left_bar_bleue100/150[BMO] - Khaen Herseker Empty_bar_bleue  (100/150)
MP MP:
[BMO] - Khaen Herseker Left_bar_bleue100/100[BMO] - Khaen Herseker Empty_bar_bleue  (100/100)
Nível Nível: 5
Khaen Herseker

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [BMO] - Khaen Herseker publicado em em Qua Dez 03, 2014 8:27 pm


Aprendendo Algo Novo
Legenda: Minhas Falas | Minha Narração | Outras Falas | "Pensamento"


Levantei com o corpo dolorido e ao tentar me alongar, só piorei as coisas. Minha mão esquerda estava enfaixada, o treinamento de hoje cedo havia acabado comigo mas eu sabia que era só o começo. Andando preguiçosamente como uma zumbi, passei pelo chalé e após minha higiene matinal, caminhei até a máquina de refeições pegando algo para comer. Não estava nem um pouco afim de ir no refeitório, então apenas sento na minha cama e recosto no canto comendo com um semblante sério e até mesmo solitário... Já estava com saudades da minha mãe, tinha que falar com ela ao menos um pouco. Então, peguei meu celular e tentei ligar pra ela, não estava dando sinal.

— Droga! - exclamei, irritada. Peguei minha mochila com meu PSP e enfiei o celular no bolso, saindo do chalé. Tive a ligeira impressão de que ouvi alguma coisa mas ignorei e segui para a floresta, talvez conseguisse algum sinal dali.

Ignorando as pessoas que me olham pelo caminho, me recostei em uma árvore, parando para observar o céu azul... Senti uma brisa, carregando cheiro de morangos, igual quando cheguei aqui pela primeira vez com minha mãe. Peguei então meu celular e apontei com ele para o céu tentando encontrar sinal, movendo ele para os lados e não tive sucesso, porém não desisti até que de repente notei que o sinal havia voltado com dois pontos apenas e aproveitei esse momento para mandar uma mensagem de texto dizendo:

"Hey mãe, eu tô com saudades... As coisas estão indo bem por aqui, mas queria saber como estão indo pra você, me conta as novidades... Aqui o sinal é uma porcaria mas tô tentando continuar mantendo o contato. Beijos, te amo."

— E... enviar. - Esperei carregar torcendo para que não falhasse. Após receber a mensagem da confirmação de envio, comemorei erguendo a mão. — Yes! - minha empolgação fora interrompida com o som de galhos secos quebrando. Guardando meu celular no bolso, olhei em volta. —  "Eu tô sozinha, então quem pode ser?" - pensei, procurando alguma figura mas vejo algo laranja passando por entre as árvores. — Quem tá aí? - indaguei, aumentando o tom da minha voz. Retirei então a minha espada da bainha empunhando-a. — Vou perguntar só mais uma vez... Quem tá aí?

— Se acalma... - disse uma garota de cabelos ruivos com algumas sardas no rosto e olhos azuis ao se aproximar. — O que tá fazendo?

— Não é da sua conta, é? - Cruzo os braços com uma expressão indiferente e bocejo. — Você me seguiu?

— ...Mais ou menos. - Ela olhou para o lado, coçando o braço esquerdo levemente, com um jeito tímido. — Eu estava ajudando a cuidar do campo de morangos mas te vi passar e fiquei curiosa, já que você não costuma sair muito do seu chalé.

— Beleza, já pode ir. - acenei para que ela se fosse e continuei olhando para o céu.

— Você é nova aqui não é? Eu me senti na obrigação de te dizer que não deveria ficar aqui... Fora do acampamento pode ser atacada por monstros.

Olhei para a garota com o canto do olho e suspirei. — Tá bom, eu vou daqui a pouco. - Antes que ela pudesse responder, senti meu celular vibrando e pus a mão no bolso para pegá-lo, minha mãe havia respondido minha mensagem. Comecei a ler mentalmente:

"Oi filha, eu tentei te ligar mas não consegui... Espero que esteja se comportando direito, como sempre. Não há muitas novidades, quase tudo não mudou desde que saiu, mas aconteceram algumas coisas e Christa voltou a morar perto de nós, ela perguntou por você e eu disse que tinha ído morar com sua tia Jane, ela ficou meio triste e mencionou algo sobre o baile da escola e que queria poder ter ído com você, eu me senti mal por mentir mas achei que era o melhor a se fazer. Te amo."

Respirei fundo, sentindo um aperto no peito pelo conteúdo da mensagem, mas eu mal tive tempo de sentir nada pois fui surpreendida pela voz da garota que a essa altura eu até tinha esquecido que estava ali.

— Ah não, você trouxe um celular? - ela olhou para mim com espanto e arregalando os olhos.

— Sim, qual é o problema? - dei de ombros

— Tem mais alguma coisa eletrônica com você?!

— Só o meu PSP, não pude trazer mais coisas... - lamento, com uma expressão desapontada. A garota desconhecida aproximou-se de mim bruscamente, tirando meu celular de minhas mãos que ficaram inertes. — Ei! - exclamei, irritada. — Devolva isso...

— Aparelhos eletrônicos atraem monstros, você não sabia?!

— Me devolve o meu celular. - insisto, apesar de irritada, permaneço séria e fria por fora.

De repente fomos surpreendidas por um barulho diferente, um urro estranho. Então vi uma criatura esquisita parecida com um cachorro mas diferente, pois parecia não ter pêlos, ser maior que o normal e ter uma aparência mostruosa. Em seu pescoço havia uma coleira com correntes e ele estava nos encarando. Olhei para a garota ao meu lado e ela me encarava de volta, apavorada. Pensei em perguntar o que era isso, por um momento achei estar se tratando de mais um dos meus sonhos acordados, mas a ruiva parecia tão assustada e recuava a cada segundo, abrindo a boca sem dizer nada como se as palavras estivessem entaladas na sua garganta. Eu então respirei fundo e gritei:

— Não se aproxime de nós!

— Grrr... - o cão pareceu ignorar meu aviso e aproximou-se ainda mais, como se me desafiasse.

Ele saltou de repente na minha direção e eu corri para o lado, sentindo ele atrás de mim com sua respiração pesada e latidos aterrorizantes. Ao meu lado a menina de antes, corria comigo por algum tempo até notar que não era perseguida, parando de correr, gritou:

— Aguenta aí, e-eu vou pedir ajuda!

— "Merda!"

Ela me deixou e saiu correndo na direção oposta, com meu celular nas mãos. Eu muito provavelmente iria morrer se não continuasse correndo mas iria morrer se continuasse, visto que eu estava começando a ficar cansada. Sempre fui sedentária, apesar da minha genética não me deixar ganhar muito peso. Respirando com dificuldade, dei a volta em uma árvore grande, dando uma boa vantagem em relação ao cachorro enorme que parecia com um pitbull demoníaco. - Ele havia ficado confuso com a árvore e me perdeu de vista por alguns momentos - Aproveitei e corri retornando para o acampamento após dar a volta mas minhas pernas ficavam cada vez mais fracas e o destino parecia estar longe demais me dando a impressão de que não chegaria a tempo. De repente lembrei que estava o tempo todo correndo com minha espada na mão, Apesar de grande, até que eu não senti que estava sendo incomodada, como se ela nem pesasse. Nesse momento de distração, senti por um breve momento, meu pé preso a uma raíz exposta e caí bruscamente, fazendo com que minha espada acabasse sendo lançada a alguns centímetros para o lado direito. Me virei ainda deitada e comecei a tentar me soltar, ao longe pude ver o cachorro se aproximar, senti que está cada vez mais perto e desesperada, procurei meu tornozelo para soltá-lo. Puxei meu pé mas a raíz parecia querer me prender ali de jeito.

O suor escorrendo pelo meu rosto deixava claro todo o esforço que eu havia feito até agora, mas eu não estava disposta a desistir. Meu tornozelo já estava doendo de tanto esforço que fiz para soltá-lo, então me esforcei para pegar a minha espada, só que não estava contando com a incrível velocidade daquela criatura que saltou sobre mim rapidamente. Fiz uma barreira com meu braço sobre o pescoço do cão e empurrei contra mim vendo que ele mordia o ar fazendo um som terrível de seus dentes batendo enquanto babava no meu rosto. Fechei minha boca para evitar deixar aquela gosma nojenta cair ali enquanto continuei fazendo esforço com meu braço direito, minhas forças estavam se esgotando e eu sabia que se não fizesse algo rápido, esse cão se encarregaria de me fazer morrer da pior forma possível. Levando minha mão esquerda para o lado onde havia deixado cair a espada - quando estava de bruços, havia ficado no lado direito e agora como estava virada... ah, você entendeu. - tentei encontrar o cabo mas já tentou pegar algo ao seu lado enquanto um cachorro enorme tenta te estraçalhar?

Não podia olhar direito para o lado, a coleira do cachorro estava machucando o meu braço e quando pude sentir a ponta do cabo da minha espada, puxei-a apressadamente e com a mão esquerda a empunhei desajeitadamente, então com a minha perna direita que estava livre, chutei o cão empurrando-o para longe pelo impulso que havia tomado. Pelo jeito aquilo só o fez ficar mais furioso, pois ele levantou rapidamente e correu contra mim, mas ergui a espada acima do meu corpo e senti o peso esmagador do cachorro cair sobre mim bem acima da lâmina que estava apontada para ele. O sangue quente e viscoso escorreu pelas minhas mãos sujando meus pulsos, o cão fazia sons agonizantes pouco a pouco pude ver a vida se esvaindo do seu corpo, quando o joguei para o lado e levantei... Peguei minha espada ensanguentada e usei-a para soltar minha perna. Ao notar que Quíron se aproximava, fiquei imóvel, minha camisa alaranjada estava vermelha assim como minha calça jeans. A garota ruiva de antes estava com ele e seu rosto estava corado, como se tivesse feito muito esforço para falar com ele pessoalmente.

— Garota... Você está bem?

— Estou, acho que sim. - olhei para ele, dando um pequeno sorriso, apesar da expressão de cansaço.

Ele olha para o lado e percebe a criatura que parece morta, segundos depois olho para ela também e noto que há fumaça no cadáver e pouco a pouco ela aumenta até fazer uma grande espécie de "fogueira" tirando a coisa dali como se tivesse sido teletransportada. Arregalo os olhos, surpresa. Mas eu sou a única a demonstrar isso, já que tanto Quíron quanto a menina apenas parecem estar confusos.

— Por que um cão infernal estaria aqui? - perguntou.

— Fui eu, eu trouxe aparelhos eletrônicos... Mas não sabia que... Foi mal. - falei pausadamente, então peguei minha mochila do chão, entregando a ele meu PSP. — pode ficar com ele também. - fiz uma careta, sentindo-me mal por ter que entregar isso. Mas não tão mal pelo que havia acabado de acontecer.

Ele acenou com a cabeça e disse estar orgulhoso pela forma como me saí. Ele dizer isso não me fez sentir menos idiota, mas foi legal da parte dele. Continuei caminhando e ao passar pelas pessoas dentro do acampamento, já esperava os olhares curiosos... Mas não tanto. O sangue pingava da minha roupa e minhas mãos estavam pegajosas, realmente uma sensação horrível e os olhares perfurantes quase conseguiram tornar tudo pior, só não o fizeram por que não tinha mais o que piorar. Apesar do que parecia ter sido uma batalha épica para quem olhava minha aparência, eu sabia que tudo foi um golpe de muita sorte e azar em uma mistura que por alguma razão, terminou com a sorte vencendo. Minha espada do lado, apesar do sangue tê-la pintado, mantinha o mesmo brilho e tudo o que eu queria após essa batalha era ir pro meu chalé e depois de um longo e demorado banho, me esconder e dormir pelo resto do dia.

OBS:

Eu pretendo fazer as outras postagens como sucessões dessa, continuando a trama. É a primeira vez que eu posto algo a do tipo então peço paciência a quem for ler, também peço por críticas construtivas que possam me ajudar futuramente. Seria realmente ótimo. Bem, quanto as recompensas, eu não tenho sugestões a fazer pois não sei qual seria a base utilizada então deixo à cargo do deus ou deusa que for julgar, é isso... Até mais.
Armas Utilizadas:

— {Lullaby} / Espada [Mede cerca de 80 cm, com 65 em sua lâmina. É feita de aço frio com a ponta do gume de bronze sagrado; bastante afiada. Seu punho é coberto é feito de aço frio e coberto por couro branco. Tem dois gumes e há uma escrita entalhada na lâmina no fuller dela: "Bom sono"; quando esta frase é proferida, quando o usuário está sob ameaça, a espada é tomada por um brilho fluorescente, capaz de guiar o seu dono na escuridão. Quando alguém, exceto o filho de Hipnos, olha por muito tempo para a lâmina, tem chances de ficar sonolento] {Aço, bronze sagrado e couro branco} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Sono} [Recebimento: Presente de Reclamação de Hipnos]


® Credits to Lux
Khaen Herseker Filhos de Hipnos
Khaen Herseker
Mensagens : 31

Data de inscrição : 17/10/2014

Idade : 23

Localização : Chalé #15


Ficha do Semideus
Vida Vida:
[BMO] - Khaen Herseker Left_bar_bleue100/150[BMO] - Khaen Herseker Empty_bar_bleue  (100/150)
MP MP:
[BMO] - Khaen Herseker Left_bar_bleue100/100[BMO] - Khaen Herseker Empty_bar_bleue  (100/100)
Nível Nível: 5
Khaen Herseker

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [BMO] - Khaen Herseker publicado em em Qui Dez 04, 2014 9:07 am

bem, narrou muito bem, não achei erros de português, foi uma BMO bem aproveitada. Além de mostrar sua evolução no acampamento possui uma boa batalha. Foi uma BMO de tamanho médio porém isso e o que menos importa.  Como eu já tinha avisado em seu treino não sou novo na administração, porém imagino que sua recompensa deva ser: 100 dracmas e 100 xp
Att

Ex-Staff 007
Ex-Staff 007
Mensagens : 86

Data de inscrição : 02/12/2014


Ficha do Semideus
Vida Vida:
[BMO] - Khaen Herseker Left_bar_bleue0/0[BMO] - Khaen Herseker Empty_bar_bleue  (0/0)
MP MP:
[BMO] - Khaen Herseker Left_bar_bleue0/0[BMO] - Khaen Herseker Empty_bar_bleue  (0/0)
Nível Nível: infinito
Ex-Staff 007

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [BMO] - Khaen Herseker publicado em

Conteúdo patrocinado
Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissoes deste sub-fórum
Você não pode responder aos tópicos neste fórum