Heroes of Olympus RPG

[MISSÃO OP| ISABELLA REYES HERNANDEZ] Transaction to Chaos

Ir em baixo

[MISSÃO OP| ISABELLA REYES HERNANDEZ] Transaction to Chaos publicado em em Dom Set 30, 2018 1:52 pm

Heroes of Olympus



Já diziam que com grandes poderes, vem grandes responsabilidades. Não era diferente para Isabella. Ela era apenas princesa da Espanha e esforçava-se para tornar-se líder das amazonas. E, incrivelmente, possuía apenas 19 anos. Essa informação foi observada por muitas empresas, de vários ramos distintos: roupas, laticínios, restaurantes, cooperativas...

Várias empresas queriam uma sociedade em que Isabella ficasse a frente dos negócios, tendo ela como a cara das transações, chamariam mais atenção dos clientes e o sucesso e o lucro viriam ainda mais fácil. Porém, a amazona era extremamente difícil de ser convencida, não era qualquer negócio que ela colocava as mãos, apenas negócios que sabia que dariam realmente certo, e, com essa linha de pensamento, as amazonas a convocaram para uma reunião.

Queriam que Isabella viajasse a Quebec para um encontro sociopolítico. Acontece que havia uma empresa de muita competência e que se negava a fechar laços com empresas de ramo parecido. Tendo um grande valor apostado em suas ações, a El Diablo era uma empresa de semideuses romanos que trabalhavam com armamento pesado, perfeito para as amazonas e seus objetivos. Isabella deveria viajar a Quebec para fechar negócio com os garotos da empresa. Acontece que, para fechar negócio eles fariam uma reunião um tanto... diferente.

Um torneio no coliseu deveria ser iniciado e o contrato só seria assinado se Isabella derrotasse até seu último guerreiro.

OBS.:


— Quero que narre a reunião das amazonas em que você foi convocada para a missão.

— Após a reunião você deve narrar a viagem até Quebec, o encontro com monstros no caminho fica a sua escolha.

— Após encontrar-se com o pessoal da El Diablo, deve narrar os acontecimentos até a chegada no coliseu.

— A batalha do coliseu terá 8 participantes, contando com você. Narre suas batalhas e relate como foram as demais batalhas.

— Seu objetivo é vencer todos os guerreiros, ou, pelo menos, conquistar o respeito do presidente da empresa, para que consigam fechar negócio.

— Seja criativa.

— Tens o prazo de um mês para concluir, qualquer dúvida: mp.


_________________
Hipnos Deuses Menores
avatar

Mensagens : 150

Data de inscrição : 27/09/2018

Localização : Onírico

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [MISSÃO OP| ISABELLA REYES HERNANDEZ] Transaction to Chaos publicado em em Qui Out 25, 2018 1:28 pm

boss
you left me a scar on my heart
Desde que se uniu a Amazon, Isabella fez seu departamento crescer o máximo possível. E quase sempre, por ela cuidar das relações externas, os negócios com a empresa eram fechados, e tudo isso, ao seu talento natural de uma princesa para saber como persuadir e como fechar um negócio, negócio as amazonas ainda saindo no lucro. Era aquilo que na reuniao em que estava, se tinha em pauta. Seria mandada para Quebec, para um negócio, e ao seu lado, estava Mikhaela, sua pupila a quem era a responsável por ensinar tudo, a única superior dela, exceto a própria rainha, e no seu próprio caso, tinha sido treinada pela própria Johanna, que estava numa missão e apesar de a herdeira espanhola ser a responsável pela a Amazon, apenas amazonas do Conselho de Guerra poderiam as mandar para algo na ausência da líder.

Se pedirem para você lutar, Isabella, não lute, você não está lá para proporcionar diversão. Você está para trabalhar. — Hylla Ávila Ramírez Arellano, a antiga rainha amazona decretou. — Se eles te pedirem para lutar, use o seu bracelete para… Os confundir. Mas não gaste energia desnecessária. Uma passagem será reservado para você para o próximo vôo Arrume suas coisas. O Conselho cuidará da empresa. E eu me encarregarei de seus deveres na Publicidade.  — A porto-riquenha garantiu.

Sem hesitar, a espanhola concordou, estudando as feições de Mikhaela, sua protegida.

Vá para o Acampamento, tente fechar algum negócio lá, verifique como estão nossos produtos que eles pediram, o caminhão 4-A está com carga para lá. E pelo amor aos Deuses, transa, eu sinto um puta cheiro de tensão sexual em você.  Precisa transar. — Foi a última ordem dada por ela, que ouviu a russa.

Eu odeio você. — A russa de fios escuros soltou, fazendo a cria da neve rir, ao ver as pulseiras com as cobras, os olhos brilharem.

A prole da neve seguiu para o quarto onde dividia com a russa, e pegou seus pertences, um pouco de roupas, colocando em uma mochila e abraçou a outra depois de tomar seu banho e se trocar. Passou os dedos sobre o cabelo dela, num carinho quase maternal.

Eu tenho orgulho de ter de treinado, Dyatlova. Você cresceu aqui. Aproveite sua estada no Acampamento, se Hylla ou Kinzie te mandarem fazer algo obedeça, é uma ordem de sua superior. Você vai obedecer apenas a elas na minha ausência. Com Johanna em missão e a chance dela falecer, a empresa está em caos. As outras estão doidas para assumir o posto dela. Algumas amazonas querem conspirar para algumas outras assumirem. E você não pode estar aqui por enquanto. Porque como estou representando Johanna, estou indo em missão, o caos vai voltar. Sabemos disso. Hylla e Kinzie sabem. A Amazon assim que eu partir não vai ser mais segura. — Concluiu  seu raciocínio, deixando-a absorver suas palavras.

O que vai acontecer se Johanna morrer? — A recruta questionou.

Os Jogos Vorazes das Amazonas. É como eu apelido a competição e mata-mata pelo o trono de Rainha das Amazonas. — Piscou, e retirou-se do quarto, após deixar um beijo na testa dela. — Cuide-se, e siga minhas ordens. — Foram as palavras finais de Bella.

Hylla a esperava na sala do trono, onde deu as instruções finais de onde ela pegaria seu vôo e um dos rapazes da empresa a buscaria no Aeroporto, despedindo-se com a típica saudação das Amazonas, seguindo para o táxi que tinha sido chamado, para a levar para o aeroporto. Assim que entrou no táxi, sua cabeça imaginava os tipos de desafio que teria ali. Passou seus dedos sobre seus fios e se endireitou, com certa ansiedade, imaginando o que deveria fazer. O trajeto foi rápido e assim que chegou ao local, pagou o taxista, pegou sua mala. Com a passagem em mãos, passou pelo procedimento necessário e seguiu  para a sala de espera, onde esperou seu voo ser chamado. Quando ocorreu, entrou no avião, achou seu assento e dormiu.

Horas se passaram e quando acordou, a futura monarca era a última passageira no avião. Odiava voos. Viajava constantemente para fazer discursos, palestras e visitas oficiais, e já tinha ficado entediada em aviões e não sentia mais a surpresa de antes. O tédio era seu aliado, então  apenas dormia.

Pegou sua mochila, seguindo para o aeroporto em si, onde viu um homem com uma placa escrita seu nome, seguindo até ele em completo silêncio, estava cansada, mesmo dormindo no voo. O jet lag nunca deixou de ser seu companheiro nesses momentos. Sua mala tinha sido colocada em um baú numa das laterais da moto, subindo no veículo, deixando as mãos sobre o quadril dele, se cruzarem, para se firmar. Descobriu que o nome do acompanhante, era Uriel e era filho de Mercúrio, e ele explicava tudo o que ela nem tinha perguntado sobre a “versão masculina” da empresa que ela representava. A moto parou em um galpão, o que a afligia, mas decidiu que não era sensato demonstrar. Seguia de perto o motoqueiro conhecido, que lhe dava certa sensação de segurança, parando em uma porta grandiosa. A morena bateu, e entrou após ouvir um “entre”. Suspirou.

Sou Isabella, da Amazon. — Foi direta ao ponto. — Temos negócios a tratar. — Ela era muito direta, sua maior virtude.

O líder daquele grupo, parecia ter 40 anos. Tinha fios escuros, e a primeira coisa que notou assim que ele se virou, vestia terno. E Isabella sentiu suas pernas bambas. Como aquele homem podia ser líder de um grupo de motoqueiros? Passou de olhar para o terno dele, que sem dúvida era um caríssimo Tom Ford para Uriel, que vestia jeans, uma blusa do Ramones um casaco de couro, voltando para o líder suas vistas. O cabelo cortado de um modo elegante, junto com as feições dele e o terno impecável, fez seu lado de atração por homens explodir. Maldita Afrodite. Xingou mentalmente, respirando fundo.

Creio não ser comigo que tratará de negócios, senhorita Hernández. — Só de ouvir aquele homem pronunciando seu sobrenome, se sentiu confusa e boba. Não uma negociadora. — Sou Oliver, e bem vinda a nossa empresa. — Oliver se aproximou, segurando a mão direita dela, dando um beijo sobre a pele em cima da palma direita dela. — É uma honra receber a princesa da Espanha aqui. Espero que os funcionários de meu irmão a tratem bem, qualquer reclamação ou pedido, pode fazer diretamente a mim. — Garantiu.

Obrigada, Oliver. Pode me chamar de Isabella. — Pronunciou ainda se sentindo nervosa, olhando sua pulseira e notando que em nenhum momento, seus olhos brilharam. — Onde eu vou dormir? O cansaço da viagem está me atingindo, mesmo eu dormindo no avião. — Explicou.

Se importa de dividir o quarto comigo? Não temos quartos de hóspedes aqui, e a maioria dos quartos são ocupados por funcionários, e sou leal a minha palavra que não tocarei em você. — Olhou a pulseira da morena que os olhos de cobra, brilhavam. — Uau, belo bracelete. — Elogiou.

E você mentiu para mim em alguma coisa. Esse bracelete é um detector de mentiras ambulante e quando os olhos da cobra brilham indica mentira. Efeito mágico. — Explicou.

Eu não menti, só não disse tudo o que desejava, pois não preciso parecer pervertido. Afinal, você tem o que? 20 anos? Eu tenho quarenta. — Explicou, o bracelete e os olhos da cobra, não brilhavam, a verdade era aquela.

Eu vou fazer 20. — Corrigiu, com um sorriso divertido. — Tecnicamente, sou maior de idade, chico. Não há lei que impeça uma maior de idade com alguém mais velho, praticamente o dobro da idade. Se tiver, mostre-me. — Desafiou, e com aquilo, ela viu a expressão brava do outro ao perceber que ela estava certa apenas saindo do local e ela o seguiu.

A dupla caminhou até um majestoso quarto, onde tinha uma cama de casal ali, era um ambiente amplo, com largas janelas e bem decorado. Havia algumas pinturas ali, de corpos nus, fotos com um homem loiro, onde estavam abraçados, o irmão. Havia também, uma estante cheia de livros e sorriu com uma expressão tímida.

Belo quarto. Hum… Pode me acordar ao menos uma hora antes de seu irmão chegar? — Pediu, e viu o homem rir baixo, mas concordar. Bella tirou seus sapatos e deitou sobre a cama. — Boa noite. — Pronunciou.

O cansaço invadiu de vez o corpo dela e Oliver apenas a via ali. Assim que ela dormiu, deixou um “boa noite, Isabella” escapar e viu um sorriso formar no canto dos lábios dela. A monarca dormia como nunca tinha dormido, aquela cama era um paraíso, porém seu corpo começou a ser sacudido e ela resmungava, o sacudido ficava mais forte, ouvindo “Isabella!” A voz rouca e conhecida de Oliver se fez presente, e num instinto, achando ser um truque, ativou a espada que seu colar vivara.

Não me mata, não é truque, meu irmão chega em uma hora. — O bracelete não brilhou.

A espanhola suspirou aliviada. Passou os  dedos aos fios escuros e contou até dez, desativando sua espada e recolocado seu colar e ela logo levantou indo tomar seu banho com rapidez e se arrumou. Assim que terminou deixou um sussurro de desculpas, deixando Oliver a guiar.

A dupla parou em porta escura onde como um legítimo cavalheiro o homem de terno abriu a porta, permitindo que ela entrasse primeiro, agradecendo com um sorriso. Viu uma mesa comprida e um ambiente arejado decorado de modo simples. A monarca se endireitou, se sentando perto de uma das pontas, com o moreno se sentando à sua frente, ambos conversavam  possíveis ideias para a conclusão daquele negócio até que o barulho da porta sendo aberta, foi ouvido e o homem loiro da foto que ela tinha visto, estava em sua presença. Oliver ficou tenso.

Ora, Oliver, não sabia que preferia jovens adultas de o que? 19 anos?  — Bella revirou os olhos.

Se veio me ofender, passe a autoridade ao seu irmão, e eu negocio com ele, mas não ouse me insultar, eu acabo com a sua raça, loirinho. — Grunhiu furiosa, odiava ser insultado daquele jeito. Não perdoava. — E mesmo que eu tivesse algo com seu irmão, não sei como isso é da sua conta. — Soltou ácida.

Ela te tem na palma da mão, Alexander. — O homem elegante comentou, sem esconder o riso baixo que escapava.

É bocuda.  — Repreendeu. — Aposto que é a pirralha da Amazon. Você quer negócio com minha empresa, precisa provar seu valor. — Determinou.

Eu não… — Isabella começou a falar, sendo interrompida.

Vamos ver como se sai numa luta. Num torneio. Se ganhar, fechamos qualquer acordo que queira. Se perder, vai trabalhar aqui como uma das nossas putas.  — Sugeriu.

Eu não vim lutar, Alexander, até minhas superioras determinaram. Se me pedirem para lutar, não lutar. Eu não sou um palhaço para fazer showzinho. — Olhou para Oliver em pedido de ajuda. — E com certeza não vou aceitar virar sua puta, sabe quem eu sou? — Grunhiu se sentindo enojada.

Venha, Isabella, ele não vai mudar de ideia. — Ela o olhou, cansada. — Vou te ajudar a treinar. Porque eu não vou deixar isso acontecer com você.  Garotas que viram “putas” aqui não duram duas semanas¿ — A morena o seguiu apenas, depois da explicação a deixar mais enjoada ainda.


•••

O casal parou quando chegaram a um Centro de treinamento, no qual ela nunca tinha imaginado. Havia diversas seções ali. Era extremamente tecnológico quase idêntico ao da própria Amazon, mas a coloração em tons mais masculinos, a deixava nervosa, o cheiro de testosterona no ar. O mais velho tirou seu terno e a gravata, arregaçando as mangas da camisa social. A morena retirou o colar e seu bracelete ainda se mantinha no pulso, ele não saía. Ela se colocou em posição de luta básica, erguendo os punhos.

A luta é como uma melodia, Isabella, você tem de encontrar um ritmo, qual ópera admira? — Questionou.

Carmen, O barbeiro de Sevilha, Fantasma da Ópera, gosto do Balé do Quebra Nozes, Lago dos Cisnes e… Norma. — Respondeu de imediato.

Vamos com a nona sinfonia de Beethoven. Eu vou te atacar, siga o ritmo da música para atacar ou defender, dependendo de minhas ações. — Instruiu, e seguiu para o Google Assistant, pedindo. — Google, toque a Nona Sinfonia de Beethoven de minha pasta pessoal, repetindo apenas tal música. — Pediu e ambos ouviram “Reprodução da música Nona Sinfonia de Beethoven”.

Ele atacava com um sincronismo perfeito com a música, ao mesmo tempo que Isabella defendia. Oliver deu um chute sobre as pernas dela, para a fazer cair, e graças a vantagem de estar de salto alto, percebeu com facilidade a tentativa, dando um salto, permitindo  sua perna acertar a dobra da perna de apoio dele, fazendo-o cair.

Bom. Vamos continuar. — Pronunciou.

A posição de combate logo foi retomada. Oliver avançou contra ela, deixando um chute sobre o peito dela, fazendo-a parar de respirar por uns segundos, a semideusa de Quione recuou uns passos, para retomar seu fôlego, tentando acertar o outro com um soco no punho, porém tinha sido bloqueada com o cotovelo. Ouviu-o novamente.

Está desafinada, recupere seu sincronismo com a música, como um feminista devoto me recuso a dizer que bate como uma garota. — Soltou.

Eu sou uma garota, idiota. — A guerreira revirou os olhos.

Isa recuou uma grande distância daquela vez, deixando que a música entrasse em cada célula de seu corpo e ela fechou seus olhos. Ao sentir que a melodia invadiu por completo, avançou contra a figura masculina, cantarolando mentalmente a melodia. 1, 2, 3, 4, atacava. 1, 2, 3, 4, defendia. E seguiu, seu novo ataque tinha sido agressivo, fazendo o homem cair ao chão. Se preparou para socar o mesmo, mas parou.

Muito bem, Isabella. Vamos ver como se sai armada. — Ele se levantou, fazendo um gesto de sorriso, jogando para ela, uma espada de madeira, pegando uma para si e girou-a na mão.

Parou de se exibir, senhor engravatado? Vamos lutar. — Sorriu zombeteira, com uma expressão divertida.

A prole de Quione estudou o maior enquanto a melodia da nona sinfonia de Beethoven tocava. A dupla seguia o ritmo da música para atacar, defender e vice-versa, e ela estava um pouco mais agressiva, já que seu lado guerreira era muito mais produtiva, com uma espada em mãos. Estudou a expressão do homem cansada, e riu.

Fora do ritmo, Oliver. — Debochou, girando a espada em sua mão. — Recupere o ritmo. — A amazona comandou. — Sua direita é fraca, você é bom com o braço esquerdo, mas ao se mover para a direita fica lento. — Apontou, com uma expressão  séria.

Não faça isso, Bella, fica atraente deste modo. — Grunhiu, e isso a fez rir.

Foco. — Avançou contra ele com a espada em mãos.

Agora, a música tocava alto, a espanhola atacou o ponto fraco do mais velho que protegeu sua direita, com um giro, fazendo-a parar em seu lado forte, acertando uma cotovelada sobre o estômago da mesma. Ela parou de respirar uns segundos, voltando a atacar com a espada, efetuando um giro de 60 graus, chutando a canela dele e o derrubando.

Acho que por hoje basta. Quer… Dormir? — Questionou, tímida.

Boa ideia. Google, desligar música. — Ambos se retiravam do local  pegando seus pertences, seguindo para o quarto.

Isabella apenas tomou um rápido banho colocando seu pijama e deitou sobre a cama. Pouco depois, viu o homem que só viu de terno, apenas com uma calça de moletom, deitou ao lado dela e sorriu, vendo-a vermelha.

Filho de Belona, legado de Vênus. — Explicou o talento natural da guerra e o fato dele chamar tanto a atenção. — Alexander é filho de Marte, legado de Belona. — Explicou.

Aquilo tudo esclareceu muita coisa a ela, Isabella apenas bocejou, deixando a cabeça sobre o peito do mais velho que a abraçou se deixou ser levada ao sono. Oliver apenas ficava ali parado, fazendo carinho sobre a morena que dormia sobre seus braços com sua mente imaginando mais de mil e uma coisas. Mas preocupado com o torneio do irmão, se lembrasse do ensinado, a amazona seria vitoriosa. Passou os dedos sobre os fios dela, num carinho. Logo ele mesmo dormiu.

Na manhã seguinte, Bella acordou aos braços de seu maior protetor naquela empresa e deixou um sorriso sair, não ousando levantar naquele momento. Contou até dez, depois de alguns minutos vendo o mais velho dormindo, passando os dedos sobre os fios dele. Nem parecia um vice presidente de empresa. Parecia um adolescente. Isabella tomou um banho rápido,  colocando uma leggin, tênis escuros e uma blusa branca. Pegou seu colar, e estava para colocar, quando viu no espelho, uma figura conhecida.

Permita-me. — O tom de Oliver não permitia questionamento, apenas levantou seu cabelo, expondo a nuca, depois de deixar o colar sobre a bancada da pia, o qual ele pegou, colocou sobre seu pescoço e fechou. — Lembre-se. Siga o ritmo. Não se distraía. E não olhe para mim. Eu a distraio. — Não a virou nem nada, continuou naquele modo e a espanhola concordou. Saiu do banheiro e procurou a área comum.

Saindo do quarto, todos os olhos caíram sobre ela. E percebeu ser a única mulher. Porém, ao perceber de onde ela vinha, seus olhares caíram ao chão, respeitosamente. Parece que eles tinham medo de Oliver. Prendeu seus cabelos em um rabo de cavalo, deixando seu colar mais exposto e se endireitou, esperando os irmãos. Primeiro, seu protetor surgia, se postando a seu lado, logo após, Alexander. Ele começou a andar, até um coliseu onde havia um ringue de boxe no meio. Então parou e começou a falar.

Bem vindos, senhores. Hoje teremos nosso torneio habitual, mas com uma… Diferença. A mocinha gostosa que estão vendo ali, é da Amazon.  — Apontou para Isa, que ficou séria, assim como o irmão daquele que falava. — Ela vai participar. E se ela ganhar, teremos negócios com a Amazon. Se ela perder… Bom, nosso bordel terá uma linda espécie nova  mas acho que Oliver os mata se tocarem nela…Ele tentará. Então as regras terá uma especial. Golpes diretos contra os seios da nossa donzela ali, estão vetados e não podem matar ela.  — Os outros começaram a vaiar. — Se a matarmos, as amazonas nos matam! No final, os perdedores morrem, e ela começa a trabalhar de imediato.  — Alexander argumentou. — Primeiro combate. Isabella e Uriel.  — O homem sorriu com cinismo para ambos.

Bella quis vomitar. A filha do frio respirou e com a ajuda do protetor, se colocou ao ringue, vendo Uriel sacar uma espada. A jovem apenas materializou seu chicote, o imaginando e logo o sentiu sobre suas mãos. No segundo que a luta começou, a espanhola usou do chicote para dar um estalo, fazendo o homem se assustar, dando um giro com a peça, fazendo com que a ponta cortasse a perna dele e o prendesse. A herdeira espanhola respirou cansada, passando os dedos sobre os fios. Esperou alguma ação, sentindo uma rasteira que a fez cair, porém sem deixar o chicote sair da perna dele, o puxou assim que levantou.

Não me mata, eu não quero estar aqui! — Ele chorou constrangido. — Eu já vou morrer no fim do torneio mesmo! Eu só quero sair daqui. — Implorou e fez um gesto de desistência com as mãos, dando tapinhas no ringue.

Isabella respirou desativando seu chicote, e uma voz altiva foi ouvida.

Vitória de nossa convidada por desistência do oponente, vá Uriel e nunca mais volte. — A voz de Oliver a acalmou.

Ela foi ajudada a descer do ringue pelo mais velho, se posicionando ao lado dele. Mais três lutas ocorreram e mais um lutador desclassificado. A cada luta que ela via ali, se sentia enjoada. A brutalidade de todos aqueles homens a enjoava e junto do fato de que eles a matariam a deixava com medo. As lutas e o sangue a fizeram querer sair chorando, apenas Oliver apertando levemente sua mão ali a acalmava. Se controlou para realmente não vomitar. Alexander chamou-a novamente. Dessa vez, não para uma luta.

Está vacilando, garota. Meu irmão pode gostar de você. Mas quem manda, sou eu. Se continuar assim, você vai parar na mimna cama. Pro ringue.  — As palavras a deixou entediada.

Eu espero que alguém te mate e filmem pra mim, Alexander. E eu me mato  antes de parar na sua cama, seu nojento de merda. — Devolveu com escárnio, como ela odiava aquele cara.

A prole da deusa do frio apenas sacou sua espada, antes de subir ao ringue. Olhou para Oliver para transmitir certa confiança, mas sabia que era mais complicado que aquilo. A atração sexual atrapalhava o raciocínio de ambos. Viu um homem de cabelos loiros e olhos azulados se aproximar com uma espada em mãos, recebendo um sorriso aprovador. Ambos se posicionaram para iniciar o confronto, e ela reconheceu com o canto do olho, o homem de terno cantando baixo a Nona sinfonia de Beethoven. A herdeira do gelo decidiu respirar e esperar a música a invadir, até esse momento,  apenas se esquivando, ela fazia bem aquilo.

Os cabelos escuros voavam contra o vento, gerando um véu  negro que distraía o oponente e assim que sentiu o ritmo definitivamente, contava para si mesma, de 1 até quatro, para efetuar um ataque e uma defesa juntos, e assim seguiu. 1, 2, 3, 4, um ataque e defesa. 1,2,3,4, outro ataque e defesa. Até que sentiu um chute nas costelas, a fazendo cair. Sem ar, ela desviou de um soco que iria receber, quando ela apenas rolou para o lado oposto, e bufou percebendo que tinha perdido seu ritmo. Aquilo teria de ficar para outra hora. Agresivamente, se  jogou contra o homem, dando uma rasteira nele e chutou as partes intimas dele com tanta força, que ela achou que ia quebrar os países baixos dele, e apenas pegou a espada, apontando o pescoço  dele.

Você não pode me matar, mas eu posso te matar. — Ameaçou, com um sorriso zombeteiro.  — Desiste. — Grunhiu.

Vadia. Eu vou adorar foder você depois do Alexander. — O sorriso pervertido a irritou mais.

E Isabella grunhiu, já do outro lado do ringue, correndo até o loiro, onde apenas via a figura do líder daqueles pervertidos que possivelmente tinha exceções, dando vários socos variados contra o corpo do loiro que tentava desviar, mas a fúria da amazona era maior, a prole da neve no final, deu uma rasteira e seguiu assim que o outro caiu, ficando sobre ele e dando vários socos, até ver o nariz dele sangrar, e outros golpes mais, e só parou quando o viu inconsciente e Oliver subiu ao ringue para a tirar dali, se não, ela teria o matado aos socos. Seu corpo estava suado e Isa ainda exalava ódio. Assim que foi ao chão, se soltou de Oliver em um gesto brusco.

Seguiu para um canto isolado, começando a chorar. Até sentir o cheiro da colônia familiar de Alexander, e deu um chute ao saco dele com ódio.

Se estivéssemos na Espanha, só por inventar esse torneio, das prostitutas, eu faria questão de mandar meu pai executar você. — Grunhiu enojada.

Você não tem autoridade nenhuma na Espanha, vadia.  — Sentiu um soco forte no rosto, que a desorientou. Ela cuspiu um pouco de sangue no chão e riu em cinismo.

Oh Díos mio! Não sabe mesmo. — Riu alto, da idiotice dele. — Eu achei que você era burro, mas caramba nunca pensei que tanto. Daniel Reyes Hernández, o rei da Espanha, tem uma filha. E essa filha se chama… — Tentou deixou o outro pensar.

Você não pode ser a princesa da Espanha, você parece vadia demais para…  — Quando ele ia falar algo mais, se viraram e viram Oliver.

Mas ela é. Agora suma daqui e vá liderar seu torneio nojento, Alexander. — Ordenou entediado.

Ela abraçou o mais velho e voltou a chorar, ele fazia carinho aos cabelos dela e assim que Bella parou, seguiram para perto do ringue onde outras duas lutas aconteceram. Ela analisava ambos de imediato, respirando profundamente, via o sangue, os socos, e seu nome foi novamente chamado parando em cima do ringue, vendo um cara com duas armas. Ativou seu chicote e a espada, posicionando de imediato seu corpo. A herdeira espanhola se posicionou, estalando o chicote, vendo um cara ruivo assustado a sua frente. A semideusa apenas grunhiu, vendo o outro soltar um grito e pisar no que descobriu ser zona proibida.

Se minha mãe imaginar que eu sequer ergui uma mão pra uma mulher, eu morro! — Explicou assustado, antes de sair correndo.

Prestes a fugir do Coliseu, quase na porta, viu Alexander puxar uma arma e dar um tiro na cabeça do outro. A garota gritou assustada, com Oliver ao lado assim que saiu do ringue querendo chorar. Aquilo tudo já era loucura. Passou as mãos mãos os fios de cabelo assustada. Abraçou o mais velho, se escondendo ao peito dele e ficou ali, enquanto a outra luta ocorria. O vencedor daquela luta, seria seu oponente, mas seu medo era tanto que estava sem cabeça para olhar. Ao fim da luta, seu nervosismo era totalmente evidente, respirou e meia hora depois, sua luta final começa. Aquele tempo tinha servido de descanso para todos. Ela logo subiu ao ringue.

Se posicionou com seu chicote em mãos, preparada para fazer o que não deveria, lutar. Sua mente ainda cantarolava a Nona sinfonia de Beethoven, o que ditava seu ritmo, vendo um homem de olhos azuis subir. Estalou o chicote e respirou fundo, quando o sinal foi dado, ele partiu para cima. Estava para chegar perto, quando apenas recuou um passo, e o homem bateu na parede do ringue. A morena respirou, deslizando seus pés sobre o ringue, em uma dança tranquila, tentando sempre desviar dos ataques que recebia, sem pisar na zona Vermelha. Em um ponto, viu o outro cansado, sendo que a cada investida, ela apenas desviava. Então,  sorriu sádica e deu um salto e uma jornada no queixo do outro para o derrubar. Oliver determinou sua vitória  aliviado. A amazona apenas desceu do ringue.

Eu ganhei seu torneio de merda, Alexander, cumpra sua palavra. — Ela cruzou os braços ao lado de Oliver.

Eu acho que não, você está na minha empresa, garota, eu mando aqui. — Alexander tinha puxado a mesma arma da execução do seu penúltimo oponente, e migrou em sua testa. A espanhola gelou.

Raivoso, Oliver se jogou contra o irmão e ambos começaram uma violenta luta. Chutes, socos, e sangue eram vistos, até que um tiro foi ouvido. E Bella quis chorar. Estava para sair correndo, ao sentir uma mão em seu ombro e se virar. O protetor, o irmão gentil estava vivo. Ele se afastou, exibindo o corpo de Alexander, travando a arma e a descartou. Abraçou o homem chorando completamente aliviada e riu baixo passando os dedos sobre os olhos, afastando as lágrimas. Até se afastarem.

Os El Diablo ruíram por causa de Alexander. Torneios até a morte, confusão, o… Bordel. Isso, não pode continuar. A partir de agora, eu cuidarei da empresa e quem quiser ir embora, podem ir, mas não teremos mais bordéis, ou lutas até a morte. E se algum de vocês me desobedecer… Lamento, conhecerão Plutão bem mais cedo. Nós faremos negócios com as Amazonas, porque Isabella Hernández provou seu valor a mim, não como uma lutadora. Mas como uma negociadora. Estão dispensados. — Pronunciou aos outros, e assim que se viram sozinhos, ela sorriu. — Temos negócios a tratar, senhorita. — Ele estendeu seu braço  esquerdo e seguiram para o escritório dele.

No escritório, ficaram por quase 2 horas, o acordo foi fechado em 20 minutos, o tempo restante… Só os deuses e ambos saberiam. Na manhã seguinte, apenas retornou a Amazon. Quando seguiu para seu quarto, para desfazer sua mala, apenas achou um singelo bilhete.

Espero te ver de novo.  — Oliver.



Adendos:
Itens Levados :
• Espírito Guerreiro - Um colar de prata que tem um pingente com um A e quando é apertado, se transforma em uma espada de bronze celestial, de 90 centímetros exatos, com gravuras de antigas amazonas. | Efeito 01: O colar em sua forma inativa, gera uma aura que inspira a amazona deixando seu golpe mais forte, em 25% | Efeito 02: A lâmina tem um espírito próprio que sente a emoção da amazona, o que deixa os golpes ou mais piedosos, ou mais furiosos de acordo com a emoção. | Efeito 03: Se perdido, retorna a dona em 2 turnos. | Bronze Celestial e Prata | Sem Espaço Para Gemas  [PRESENTE POR SE UNIR AO GRUPO]

• Laço da Verdade - Um chicote tecido com Bronze Celestial, é feito de couro e possui uma mágica em especial, e sua ponta é feita de bronze celestial, podendo ferir seus inimigos. O couro e todo o chicote foi moldado para parecer uma cobra com olhos de rubi. | Efeito 01: Se alguém é capturado pelo o chicote, é forçado a dizer a verdade, até que seja solto. Tentativas de mentir fazem o rubi dos olhos da cobra brilharem e dar um choque no alvo. Mesmo inativo, o bracelete ainda detecta a verdade, se houver mentira, os olhos da cobra brilham. | Efeito 02: A lâmina da ponta do chicote, pode expelir veneno paralisante que dura 02 turnos. | Efeito 03: Quando não é usado, se transforma em um bracdlege prateada de cobra, com olhos de rubi. Para ativar, basta apenas imaginar o chicote. O bracelete é magicamente encantado para nunca sair do braço da amazona, exceto se ela sair do grupo. | Prata, Rubi, Bronze Celestial e Couro | Sem Espaço Para Gemas [PRESENTE POR SE UNIR AO GRUPO]
Poderes Usados - Quione:
Level 1: Resistência ao frio. Quione por ser a deusa da neve os seus filhos tem resistência a climas frios.

Level 1: Perícia com Lâminas iniciante. Os filhos de Quione são bons no manuseio de lâminas e espadas em geral, sabendo utiliza-la de início e se tornando um bom complemento junto ao arco.

Level 2: Beleza de Gelo: A aparência deles é tão perfeita que a faz parecer feita de cristal, tendo assim a habilidade de "seduzir" o atacante, deixa-lo paralisado.

Level 2: Locomoção na neve. Muitos sentem dificuldade em andar sobre a neve, mas os filhos de Quione passeiam sobre a neve com a maior facilidade, não importando o tempo frio ou se está nevando ou mesmo tendo uma nevasca.

Level 3: Pele Gélida. Os filhos de Quione por terem um domínio sobre o gelo e neve, possuem uma pele mais fria que o normal. Entretanto uma das características marcantes é que a pele ainda continua gélida mesmo em locais quentes para quem os toca, porém isso não significa que eles não irão sentir um pouco de calor nesses lugares.

Leve 3: Olhos Cristalinos: Seus olhos possuem uma fina camada de gelo, proporcionando assim duas funções: Defender-se contra encantamentos e habilidades que envolvam contato visual e aumentar o alcance de sua visão.

Level 4: Cura Gelada. Locais frios deixam os filhos de Quione mais saudáveis e mais a vontade, podendo realizar a cura instantânea.
Poderes Usados - Amazonas:
Passivos
Nível 1
Pericia com espadas iniciantes – Mesmo nunca ter usado uma espada já a utiliza muito bem.

Nível 2
Sentidos Aguçados: Sua audição, visão e olfato estão mais aguçados.

Nível 3
Pericia com arco e flecha iniciante – Consegue manusear o arco muito bem.

Nível 4
Respeito de equídeos – Animais como cavalos a respeitam e a obedecem.

Nível 4
Perecia com adaga iniciante – Você consegue usar a adaga muito bem.

Nível 5
Atributos aprimorados - Atributos como força, agilidade e velocidade são aumentados naturalmente.

Ativos

Nível 2
Aura Amazônica – A cada ataque recebido é curado 20 de HP e 10 de MP.
• at quebec
• buisness trip
• with her new friend
• wearing this
naxz @epifania
avatar
make way for the dream team, nbk on the big screen

Mensagens : 21

Data de inscrição : 18/09/2018

Idade : 20

Localização : Amazon, Seattle


Ficha do Semideus
Vida Vida:
130/180  (130/180)
MP MP:
120/180  (120/180)
Nível Nível: 8

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [MISSÃO OP| ISABELLA REYES HERNANDEZ] Transaction to Chaos publicado em em Sex Out 26, 2018 8:54 am

Heroes of Olympus



Isabella, vamos lá. Eu gosto muito quando passo uma missão e os campistas ficam livres para interpretá-la e para utilizarem de sua trama pessoal e criatividade, isso me deixa muito satisfeito, porém, gosto que sigam pelo menos um pouco das informações que foram ditas. A primeira foi: você deverá ir a Quebec. Bom, você é uma semideusa, e, apesar de filha de Quione, é natural que atraía alguma atenção de monstros para si, o que não aconteceu. Você poderia dar a desculpa da névoa ou algo do gênero mas não foi feito. Resolvi desconsiderar isso levando em conta de, por ser uma amazona, talvez, naturalmente, pudesse lidar com isso.

Segundo, eu meio que entendi que você fez um voo comercial, mas, se é uma princesa, não teria um avião próprio? Resolvi deixar para lá e levar em conta que você possa ter viajado em primeira classe, apesar de não ter sido citado.

Agora vamos para a parte da El Diablo. Como você disse, seria uma versão da Amazon, só que, apenas com homens. Ok, realmente. As amazonas meio que "escravizam" e diminuem os homens, mas, não significa que a outra empresa também faça isso com as mulheres, por que afinal de contas, são romanos, e, se diferenciam dos gregos de diversas formas, principalmente, na diplomacia, sendo extremamente competentes, organizados e diplomatas.

Achei um tanto interessante o interesse do Oliver pela Isabelle, por ser um legado de Venus você o fez coerente, porém, não achei coerente a desistência do filho de Mercúrio em meio ao combate. Acima de tudo, são romanos, e, romanos levam sua honra muito a sério.

Bom, sem mais delongas, vamos para as categorias de avaliação e prêmios.

Ortografia: 3,5/5
Criatividade: 4/5
Coerência: 3/5
Ações realizadas: 4/5

RECEBIDOS:

+ 2000 xp
- 50 de Life
- 60 Energy

+ 500 Drácmas

_________________
Hipnos Deuses Menores
avatar

Mensagens : 150

Data de inscrição : 27/09/2018

Localização : Onírico

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [MISSÃO OP| ISABELLA REYES HERNANDEZ] Transaction to Chaos publicado em

Conteúdo patrocinado
Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissoes deste sub-fórum
Você não pode responder aos tópicos neste fórum